R7 – Denúncias de espionagem canadense contra o Brasil podem afetar relações comerciais de R$ 15 bilhões

Mercado brasileiro é considerado prioritário pelas autoridades e empresas canadenses

As novas denúncias de espionagem reveladas pelo jornalista Glenn Greenwald, no último domingo (6), poderão afetar a relação bilateral entre o Brasil e o Canadá colocando em risco um histórico de parcerias diplomáticas e o crescimento no comércio dos dois países que movimenta cerca de 15 bilhões de reais anualmente.

Até o último fim de semana, o Brasil e o Canadá desfrutavam de um ambiente bilateral muito positivo. No campo político, ambos são parceiros em diversos temas envolvendo direitos humanos e atuam lado a lado no Haiti pela MINUSTAH (Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti).

No campo econômico a relação teve um crescimento vertiginoso nos últimos dez anos e conforme mencionado pelo próprio governo canadense o Brasil é um parceiro estratégico para os negócios do país.

Chanceler brasileiro convoca embaixador canadense para exigir explicações sobre espionagem de ministério

Canadá mantém silêncio sobre denúncias de espionagem feitas pelo Brasil

De acordo com o relatório oficial do Canadá, o setor de mineração é um dos principais focos para as empresas do país. Segundo dados oficiais, em 2009, 75% das grandes mineradoras mundiais tinham suas sedes em território canadense.

O Canadá é um dos maiores investidores em mineração no Brasil, onde foram instaladas 55 empresas brasileiras país dedicadas à exploração, 45 de equipamentos e 20 de serviços relacionados com o setor, segundo dados oficiais do país americano.

O Brasil é o maior produtor mundial de nióbio, o segundo de ferro, manganês, tantalita, e o terceiro de bauxita, segundo dados do Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração).

Além disso, é um importante produtor de ouro, níquel, magnésio, caulim e estanho, entre outros minerais, setor cuja regulação e cujas concessões dependem do Ministério de Minas e Energia.

Em 2012, o Canadá foi um dos principais investidores no Brasil com um total de R$ 35 bilhões (16 bilhões de dólares) acumulados aplicados na economia tupiniquim.

Resposta brasileira para espionagem na internet pode prejudicar o País

Secretário diz que espionagem não afetará leilões

Conforme divulgado pelo Departamento responsável pelo comércio exterior canadense, desde 2000, houve um crescimento de 90% nas exportações do país aos brasileiros.

Atualmente, o Brasil é o 11º parceiro comercial do Canadá e o volume total de trocas está em torno dos 15 bilhões de reais — dividido em aproximadamente R$ 9 bilhões de vendas brasileiras e R$ 6 bilhões de exportações canadenses.

No dia 1º deste mês, o Banco central do Canadá destacou o crescimento do comércio internacional e também destacou o bom desempenho de seus empreendedores nos mercados emergentes. O relatório da instituição alegou que os dois principais destinos das empresas e produtos canadenses eram o Brasil e a China.

Em 2011, durante a visita oficial do primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harpe, ao Brasil, os dois países assinaram diversos acordos e criaram um grupo de diálogo permanente para incrementar as relações. No início de agosto deste ano, o ex-ministro das relações exteriores Antonio Patriota e seu congênere canadense John Baird anunciaram novos entendimentos no Rio de Janeiro e reafirmaram todo o “entusiasmo” envolvendo a relação bilateral.

Segundo a reportagem do Fantástico divulgada no domingo, a NSA colaborou com o Centro de Segurança das Telecomunicações do Canadá para obter dados das ligações telefônicas e do fluxo de e-mails do Ministério de Minas e Energia do Brasil.

A presidente Dilma Rousseff postou na segunda-feira (7) no Twitter que “tudo indica” que os governos dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, além de “milhares de empresas” desses cinco países, têm “amplo acesso” aos dados espionados no Brasil.

“É urgente que os Estados Unidos e seus aliados fechem suas ações de espionagem de uma vez por todas”, afirmou Dilma, quem sustentou que as novas denúncias “confirmam” que a espionagem obedece a “razões econômicas e estratégicas”.

Segundo Dilma, há indícios de “interesses canadenses na área de mineração” no Brasil, o que agrava a situação.

“A espionagem atenta contra a soberania das nações e a privacidade das pessoas e das empresas”, afirmou a governante, que também disse ter determinado que o Ministério de Minas e Energia realize uma “rigorosa avaliação e reforço” da segurança de suas redes.

“Repudiamos a guerra cibernética”, acrescentou Dilma, que no mês passado denunciou a espionagem americana na Assembleia Geral da ONU, diante da qual definiu essas práticas como uma “violação” da soberania de seu país, “uma afronta” e “uma falta de respeito” que não pode se justificar na luta contra o terrorismo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s